Financiamento: FAPEMA

O objetivo da computação pervasiva é criar Ambientes Inteligentes, isto é, trazer a inteligência para os nossos ambientes e torná-los sensíveis a nossa presença. Exemplos de ambientes inteligentes incluem casas inteligentes (Smart Homes) e cidades inteligentes (Smart Cities). Ambientes como esses melhoram a qualidade de vida das pessoas sem que elas tenham consciência explícita das tecnologias de comunicação e computação subjacentes. Na área da Saúde, o termo Ambient Assisted Living (AAL) tem sido empregado para designar um campo de pesquisa multidisciplinar, cujos maiores esforços se concentram no desenvolvimento de sistemas inteligentes de monitoramento remoto que possibilitam aos profissionais de saúde e cuidadores o acompanhamento em tempo-real de mudanças no estado de saúde de pacientes vivendo ou transitando em ambientes inteligentes. Sistemas AAL são compostos por diversas tecnologias: sensores e atuadores, dispositivos portáteis, redes sem-fio heterogêneas, aplicações médicas que podem estar executando em dispositivos móveis, computadores pessoais, ou até na nuvem. Sensores médicos vestíveis ou portáteis coletam dados de sinais fisiológicos dos pacientes (ex.: ECG, pressão sanguínea, frequência respiratória), que são utilizados na detecção de sintomas em tempo real e/ou na construção do histórico de saúde dos pacientes. Já os sensores espalhados pelos ambientes inteligentes coletam informações que ajudam a determinar se as condições ambientais (temperatura, luminosidade, umidade do ar, níveis de CO2) são favoráveis a manutenção do bem-estar desses pacientes. A fusão ou combinação de dados providos por diversos sensores ajudam a inferir a atividade dos pacientes e até detectar situações de emergência. Neste último caso, um alerta pode ser enviado aos profissionais de saúde e/ou a familiares e cuidadores que estejam próximos da localização do paciente. Há vários desafios de pesquisa a serem vencidos em relação ao desenvolvimento de infraestruturas de software que suportem a implantação de sistemas de monitoramento da saúde de pacientes em Ambient Assisted Living. Esses desafios estão relacionados ao atendimento múltiplos de requisitos, tais como: interoperabilidade, escalabilidade, disponibilidade, consumo de recursos, cenários de monitoramento, qualidade de serviço (QoS), e privacidade. O objetivo desta pesquisa é desenvolver uma infraestrutura de software abrangente, que apóie o desenvolvimento de sistemas de monitoramento de pacientes em cenários de Ambiente Assisted Living com diferentes requisitos. Esse desenvolvimento será iniciado tendo por base os componentes de software pertences a uma infraestrutura de software de propósito geral para a Internet das Coisas (IoT), baseada no modelo de Computação em Nuvem. Os componentes dessa infraestrutura de software genérica são o M-Hub e o SDDL, desenvolvidos pela PUC-Rio em parceria com a UFMA. Os sistemas que vierem a ser desenvolvidos a partir dessa infraestrutura poderão ser utilizados no Sistema Único de Saúde (SUS), colaborando para melhorar a qualidade da saúde em dentro e fora do estado.


Equipe Executora:

Berto de Tácio Pereira Gomes (IFMA) - Coordenador
Ariel Soares Teles (IFMA) 
Rafael Fernandes Lopes (IFMA)
Francisco José da Silva e Silva (UFMA)
Markus Endler (PUC-Rio)
Luiz Carlos Muniz (UFMA)

Luís Eduardo Talavera Ríos (PUC-Rio)